101. O canteiro abdominal

A história do aparelho de ginástica aposentado que virou berço de tomates, berinjelas, cebolinhas e alfaces.

Janeiro é o mês de organizar armários e preparar a casa para o novo ciclo. Um trabalhão, sobretudo porque me esforço ao máximo para não enviar nada para o lixo. Mas também uma delícia, pois a mente e a alma vão encontrando seu lugar enquanto os objetos são reencontrados, ganham limpeza, novas funções, novos donos. No meio das tralhas, achei um velho aparelho de fazer abdominais e resolvi transformá-lo num canteiro. A explicação vem antes e as imagens estão abaixo.

1 ) Comecei a aventura usando uns restos de madeira para fixar a base. Amarrei com arame e chequei a estabilidade.

2) No fundo entrou o sombrite, uma tela preta que as casas agrícolas vendem, e uns pedaços de delimitador de  grama (essa faixa de plástico) para aumentar a sustentação.

3 ) Aí veio a manta drenante (conhecida nas lojas de jardinagem pela marca “bidim”), que tem a função de deixar o excesso de água ir embora mas segurar a terra.

4) Para fixar tanto o sombrite quanto o bidim, costurei no cano usando arame. Aprendi recentemente que alicate serve para cortar arame: é só ir dobrando para cá e para lá. 

5) Enchi com uma mistura de terra, areia, composto e adubo orgânico, húmus das minhas minhocas, vermiculita, cinzas (da pizzaria da esquina) e um pouco de carvão picado. Coloquei as mudas e cobri a terra com palha.

6) Duas semanas depois, as plantas já estavam bem maiores. Apenas o pé de couve não ia bem e, consultando a tabela de alelopatia (combinação de plantas) percebi que não se dá com tomateiro. Então transferi para outro canteiro. Agora é só esperar para comer os tomates e as berinjelas. Alface e cebolinha já está dando para colher! 🙂

Agora, as fotos, que ficaram meio bagunçadas porque essa ferramenta de publicação de blog está maluca. Ou eu. Enfim, depois mando notícias da lavoura-fitness. 

 

One thought on “101. O canteiro abdominal

  1. Oi Claudia, tudo bem? Cada vez que vejo você aprontando uma dessas me encho e alegria para retomas algumas obras no jardim. Tenho duas dúvidas, veja se você pode me ajudar. Que tabela de alelopatia você usa? Está de pé aquela sua oferta para me ceder algumas minhocas, o recomeço do meu minhocário? Posso passar para pegar, eu moro em Pinheiros, aqui perto da Sumidouro, acho que é perto da sua casa porque te vi passeando com um cachorrinho outro dia. Um abraço e parabéns pelo destino nobre do seu aparelho de ginástica, Giu

  2. Clau, amei sua criatividade! Além do que você escreve com muito humor!
    E… fique tranquila pois é a ferramenta de publicação do blog que está maluca…. 🙂 beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *